15 de jun de 2013

Nem tudo se resolve com programas sociais

Com as manifestações e as redes sociais bombando, tem gente finalmente saindo do muro e tomando partido para discutir política, criticar o governo e entender que a questão vai muito além da richa "PT X PSDB".

Claro que muitas pessoas ainda acreditam que algum partido vai se aproveitar das manifestações para crescer, mas quem tem o mínimo de QI sabe que não é bem assim. Agora o brasileiro vai pensar muito bem antes de votar. Na última eleição, muitas cidades tiveram mais da metade dos votos anulados, dando uma puta dor de cabeça para o TSE.

Seja como for, para aqueles que ainda acham que o povo é burro, chegou a hora de olhar com um pouco menos de desdém e entender a unidade que O POVO brasileiro é. Se você odeia se igualar aos outros, meu querido, então pegue suas coisas e saia. Conheço muita gente que se acha superior, que acha quem tem pouca grana uma raça bizarra. Aí eles descobrem que eu estudei SEMPRE em escola pública, que fui bolsista graças ao PROUNI, que fiz minha pós graduação graças a  cota para pobres e que morava em um apartamento similiar a COHAB, moradia popular, livre de IPTU.

Estou no mercado de trabalho no mesmo patamar que eles, morando em Berlim com o dinheiro do meu próprio suor, sem patrocínio de família, discutindo política com tanta ou mais argumentação que eles, sabendo meus direitos e não sendo fanática de partido algum.

Antes de falar dos "mortos de fome", dos "metidos a comunista", do "povão escroto", olhe para o espelho. Dinheiro não traz sabedoria, então não se coloque em posição de julgar. Se você se acha superior, você deveria estudar um pouco mais e saber que esse sentimento de superioridade não tem fundamento antropológico algum. Um cara mobilizou uma nação com o discurso de raça superior. Mais de 6 milhões de pessoas morreram e até hoje uma mácula assombra a vida de cada um no país. Sim, Adolf Hitler traumatizou gerações de alemães, que até hoje lutam para recuperar a dignidade. Superioridade? Só se for em quantidade de recalque.


Nenhum comentário: