15 de set de 2008

Novela da vida real

Esse fim de semana me lembraram de um ocorrido com uma amiga minha, que aqui vou chamar de Catarina, mas este não é o nome dela. É importante frisar isso porque o nome do outro protagonista é desconhecido.

Catarina estava numa churrascaria um dia, bebendo e comendo muita carne com amigos, quando seu celular toca, é Cássio, perguntando o que ela iria fazer naquele sábado super lindo. Catarina ainda não sabia, estava se entupindo de comida e bebida, chamou Cássio para participar da santa ceia e depois pensariam no que fazer. Aí a comilança acabou, foram pra uma rua movimentada e cheia de baladas ver o que poderiam fazer, não acharam nada muito interessante, pararam no boteco e beberam mais um bocadinho até pensarem em como salvar a noite. De todo mundo que tava na churrascaria, só Catarina e Cássio que pensaram em fazer alguma coisa após. É o tipo de coisa que eu digo pra não fazer, porque comer antes de beber é importante, mas comer MUITO é um risco.
Cássio, que não tinha comido muito, sugeriu a Catarina que ela tomasse algo mais energético, pois o sonão da sesta bateria e ela tinha que segurar o modelão. Ela topou e ambos se entorpeceram e resolveram entrar numa balada hype super cara de São Paulo, que é toda estilosa e bem decorada, com freqüentadores ricos, famosos e bonitos. Lá, Cássio encontrou com alguns amigos, ganhou umas cantadas, pois, é claro, Cássio é gay e estava no lugar certo pra arrumar uma paquera. Catarina, por sua vez, foi incorporando a Heleninha Roitman, a professora Fátima, o pai da Marjorie Estiano naquela novela que ele era bêbado, enfim, Catarina estava tocando o céu com sua taça de Chandon. Dançou, dançou, dançou, subiu no sofá, dançou mais, foi até o chão, subiu, desceu. Eram 5 da manhã e Catarina e Cássio estavam a todo vapor, até que, num dado momento Cássio nota Catarina deitada no sofá e um moço meio que tentando conversar com ela. Ele vai lá e pergunta para Catarina se ela está bem, ela faz que sim com a cabeça. Cássio pergunta quem é o moço, Catarina sussurra “não sei”. O DJ grita “Ae biluzada, é a última música”. O moço tenta levantar Catarina, que já estava sem glamour e morrendo de sono, e fica falando que ela é linda, para ela ir embora com ele, que ele a deixa em casa como uma princesa. Todos começam a ir pagar a comanda no caixa, Catarina paga no cartão, esquece-o no balcão e, por sorte, Cássio vê e pega para ela. Catarina estava sem a bolsa. Lá fora, o Sol nascendo, Cássio pergunta para Catarina se ela quer ir embora com ele. Ela diz que vai com o moço e o moço garante para Cássio que vai cuidar bem dela. Catarina entra no carro do moço, atordoada e fala que mora na zona leste. O moço fala “eu não taxista”, Catarina olha pra ele e ele diz “vamos nos divertir antes” e sorri. Eles vão para um hotelzinho pulgueiro na rua da Consolação, que custava R$90,00 pra passar 12 horas. Entram no quarto, Catarina deita na cama e dorme, quando acorda, percebe que está sem nenhuma roupa... AMANHÃ EU CONTINUO.